VIOLÊNCIA CONTRA ATIVISTAS NA AMÉRICA LATINA

Relatório apresentado pela sobre violência contra ativistas, organização não governamental relacionada à defesa dos , com sede na Irlanda, apresentou relatório apontando que mais de 300 defensores dos foram assassinados em 2017. A maioria dos crimes aconteceu na América Latina, com aproximadamente 67,9% dos casos; sendo que a maior incidência de aconteceram na (105 mortes) e no (58 mortes), que juntos acumulam 73,5% dos casos ocorridos.

 

Conflitos por terra são a principal causa de morte de ativistas por direitos humanos no Brasil

O desarmamento dos guerrilheiros promovido pelo Acordo de Paz (2016) estabelecido entre e as FARC serviu para intensificar as ações dos grupos paramilitares, que tem levado terror e morte às regiões camponesas. Na Colômbia; os assassinatos estão relacionados aos vestígios da guerrilha, enquanto que no Brasil, os assassinatos foram promovidos pelo aparato repressivo do Estado. Na listagem não está incluída as e os diferentes assassinados cometidos contra lideranças sindicais e populares. Deste modo, o Brasil e a Colômbia se constituem como as regiões mais perigosas do mundo para os militantes dos direitos humanos.

FONTES:

https://www.frontlinedefenders.org/

Fontes das Imagens:

https://goo.gl/5fFAHh

https://goo.gl/LLNvhi

Compartilhe:

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notifique-me
avatar