CAPITAL E TRABALHO NA FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL

 O ponto de partida deste livro é investigar a anatomia da força de trabalho subordinada ao capital no desenvolvimento histórico da brasileira, desde a colonização aos tempos hodiernos. emerge no cenário brasileiro como inteiramente responsável pela destruição das relações comunais subsistentes e, sua institucionalização, tanto das relações de produção assentadas na exploração do trabalho escravo, quanto nas relações fundamentadas no trabalho assalariado. No decorrer deste livro, analisaremos o processo de transição do capital mercantilista para industrial no e a forma como se operou a transição do trabalho escravo para o trabalho assalariado no âmbito da economia nacional, mediante a constituição de seu inexorável exército industrial de reserva. Neste percurso, a perspectiva marxiana revela-se como fundamental para uma correta compreensão dos nexos e das conexões efetivas que marcam o desenvolvimento da economia brasileira, em que a formação e organização da vida material comparece plenamente submetida ao interesses do capital internacional.

 

Autor: Artur Bispo dos Santos Neto

 

Sumário:

Apresentação
Introdução
Capítulo I – Capital Mercantil e Colonização do Brasil
1.1 Capital Mercantil e Mercado Mundial
1.2 Monarquia Mercantilista e Colonização
Capítulo II – Capital Mercantil e Força de Trabalho Escrava
2.1 Trabalho Escravo versus Trabalho Assalariado no Principal Centro Econômico Europeu
2.2 A Necessidade da Força de Trabalho Escrava na Colonização do Brasil
2.3 A Subordinação da Economia Portuguesa à Economia Inglesa
Capítulo III – A Personificação do Capital no Brasil Colônia
3.1 O Mercador como Agente Financeiro do Complexo Açucareiro
3.2 O Senhor de Escravos Como Personificação Do Capital

Capítulo IV – Crise do Sistema Fundado na Exploração do Trabalho Escravo
4.1 A Crise do Capital Mercantil
4.2 A Revolução Industrial Inglesa e a Dependência Econômica do Brasil

Capítulo V – A Transição para o Trabalho Assalariado
5.1 O na Época do Segundo Império
5.2 A Força do Trabalho Imigrante e o Exército Industrial de Reserva no Brasil
5.3 Os Limites do Campesinato e da Pequena Propriedade
Capítulo VI – O Capital Industrial no Brasil
6.1 A Gênese do Proletariado Brasileiro e as Primeiras Colisões Operárias
6.2 O Desenvolvimento do Capitalismo Brasileiro
6.3 O Golpe Militar-empresarial de 1964 e a Subordinação do Proletariado
Capítulo VII – O Capital e seu Inexorável Exército Industrial de Reserva
Conclusão
Referências Bibliográficas

 

Download do Livro: Clique Aqui

Compartilhe:

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notifique-me
avatar